Informação, tecnicidade, individuação: a urgência do pensamento de Gilbert Simondon

_____[TRANSMISSÃO AO VIVO PELA INTERNET (streaming)]
ENDEREÇO PARA STREAMING: http://www.ifch.unicamp.br/eventos/index.php?p=aovivo

__________[REGISTROS DO ENCONTRO]
Tudo o que foi transmitido pela internet (streaming) ao vivo durante a realização do encontro está agora permanentemente disponível online. Cabe agradecer especialmente à Secretaria de Eventos do IFCH/UNICAMP pelo ótimo trabalho de captação, transmissão e registro, e também a Rafael Malhão e Stefano Schiavetto pela edição e upload do material.

__________[APRESENTAÇÃO]

A obra de Gilbert Simondon permanece, ainda hoje, muito pouco conhecida no cenário acadêmico e intelectual brasileiro, apesar de seu crescente destaque, não apenas no campo da filosofia, mas também no das ciências sociais contemporâneas. Filósofo marginalizado e frequentemente reduzido à questão da técnica, Simondon oferece recursos poderosos e ainda muito pouco conhecidos para se pensar as relações sociais entre humanos e também entre humanos e não-humanos de perspectivas variadas, sejam elas sociológicas, antropológicas, políticas, filosóficas, epistemológicas ou estéticas. Suas concepções de informação, tecnicidade, individuação, transdução, metaestabilidade, transindividual, concretização, invenção e tecno-estética, entre outras, vêm oferecendo alternativas valiosas para o avanço na compreensão de temas centrais da contemporaneidade como o trabalho, a mobilização coletiva, as transformações sociais, a presença da tecnologia na vida cotidiana, as tensões entre ética e ciência, as relações entre indivíduo e sociedade, biologia e técnica, natureza e cultura etc. O Grupo de Pesquisa Conhecimento, Tecnologia e Mercado (CTeMe), impelido pela urgência de retomar o movimento do pensamento de Simondon, de colocar seus conceitos e suas ideias para funcionar no contexto contemporâneo, convidou alguns pesquisadores brasileiros e estrangeiros de diversas áreas – sociologia, antropologia, filosofia, arte, design e computação – e instituições – Conicet (Argentina), Fatec (Jundiaí), PUC-SP, UBA (Argentina), UFRJ (IFCS e Museu Nacional), UFPR, UnB, Unicamp e Unifesp – envolvidos em atividades de alguma forma relacionadas à importância e urgência do pensamento de Simondon, para três dias de debates no IFCH/Unicamp. A escolha dos pesquisadores convidados foi criteriosa, orientada não por política institucional e especialização disciplinar ou temática, mas sim por afinidades estético-políticas distribuídas em redes heterogenéticas. Certamente, muitos outros pesquisadores brasileiros que vêm trabalhando com as ideias simondonianas poderiam ter sido convidados para este encontro ou citados aqui; trata-se de um estímulo para que ele se desdobre em novas oportunidades de ampliar cada vez mais o coletivo mobilizado em torno da urgência do pensamento de Simondon. Por hora, e para um encontro que começou como um sonho sem nenhum fundamento na realidade burocrática e institucional das agências de financiamento e do mundo acadêmico brasileiro atual, até que não nos saímos tão mal. O encontro “Informação, tecnicidade, individuação: a urgência do pensamento de Gilbert Simondon” ocorreu nos dias 2, 3 e 4 de abril no Auditório I do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), com acesso livre e transmissão pela internet (streaming).
ENDEREÇO PARA STREAMING: http://www.ifch.unicamp.br/eventos/index.php?p=aovivo

__________[PROPAGAÇÃO]

Disponibilizamos aqui algum material com o objetivo duplo de divulgar o encontro e a obra de Simondon. Por um lado, disponibilizamos as traduções para o português dos capítulos introdutórios das duas obras mais importantes de Simondon, Du mode d’existence des objets techniques – traduzido por Pedro P. Ferreira e Christian P. Kasper e já publicado anteriormente, com o título de “Cultura e Técnica”, na revista Nada (no.11, 2008) – e L’Individuation à la lumière des notions de forme et d’information – traduzido por Pedro P. Ferreira e Francisco A. Caminati e ainda não publicado. Por outro lado, disponibilizamos também transcrições de aulas e passagens de textos de Laymert Garcia dos Santos, que há décadas mobiliza Simondon na articulação sócioantropológica de muitos dos principais problemas contemporâneos. Apesar de evidentemente não ser o único a empregar Simondon no campo intelectual brasileiro contemporâneo, Laymert se destaca por seu pioneirismo, pela consistência de sua leitura e pelo acesso privilegiado que oferece às ideias do filósofo. As aulas transcritas ocorreram nos dias 02/03/2011, 16/03/2011 e 30/03/2011 no IFCH/UNICAMP, quando Laymert debatia partes de Du mode d’existence des objets techniques com alunos, numa disciplina de pós-graduação dedicada exclusivamente ao debate das ideias de Simondon. Quanto aos textos, selecionamos passagens de sete textos diferentes publicados entre 1981 e 2011, nas quais Laymert mobiliza Simondon para pensar não apenas a tecnologia em sua especificidade (tecnicidade, concretização, invenção) e em sua relação com o humano (a relação homem-máquina) e com a sociedade (o conjunto sociotécnico), mas também temas específicos como trabalho, progresso, alienação, artificialização, xamanismo, ambientalismo, informação, cibernética, memória, vida e individuação. São eles: Desregulagens (1981, pp.23-7); “O homem e a máquina” (Imagens, 1994, pp.48); “Tecnologia, natureza e a redescoberta do Brasil” (Tecnociência e Cultura, 1998, pp.38-43); “A informação após a virada cibernética” (Revolução tecnológica, internet e socialismo, 2003, pp.12-3); “Demasiadamente pós-humano” (Novos Estudos Cebrap, 2003, pp.166-7); “Paradoxos da propriedade intelectual” (Propriedade Intelectual, 2007, pp.52-7); “Ópera multimídia Amazônia” (Cadernos de Subjetividade, 2011, pp.34-5). Esperamos que este material contribua para a propagação das ideias de Simondon no Brasil – uma contribuição inevitavelmente situada e parcial, mas por isso mesmo ativa e engajada.

__________[PROGRAMAÇÃO]

Dia 02 de abril de 2012

    19h – Mesa 1 – Modos de existência: A mesa de abertura, pela sua heterogeneidade e importância, indica o propósito do evento: alertar para a atualidade e urgência da transdisciplinaridade do pensamento de Gilbert Simondon em nossa contemporaneidade. Nesse sentido, o sociólogo Laymert Garcia dos Santos (Unicamp) explorará as relações e tensões entre estética e sociedade no pensamento de Simondon e Étienne Souriau; a filósofa Muriel Combes desenvolverá uma releitura da problemática do sujeito em sua relação com o biopoder e a biopolítica; e o antropólogo Eduardo Viveiros de Castro (UFRJ) considerará o problema do estatuto da relação na antropologia contemporânea, considerando o recente debate em torno das “object-oriented-ontologies”. A mesa será mediada por Christian P. Kasper (UFPR).
    22h30 – Diálogos e Ressonâncias no Almanaque Café: Improviso Livre com Thomas Rohrer e convidados.

Dia 03 de abril de 2012

    9h30 – Mesa 2 – Tecnopolíticas: Em sua filosofia da técnica, Gilbert Simondon aponta a urgência de problematizar as relações cotidianas entre o ser humano e os objetos técnicos que o rodeiam a partir de uma análise que ultrapasse um pensamento autocrático. Nesse esforço, surge a necessidade de uma politização específica da tecnologia que escape tanto da tecnofilia quanto da tecnofobia. As configurações sociopolíticas da técnica e da tecnologia serão tema de uma mesa de discussão específica, em que os debatedores Henrique Parra (Unifesp), Silvio Rhatto (Saravá.org) e Rafael Diniz (WiMobilis) discutirão, a partir de suas próprias investigações, a dimensão política das relações atuais entre “homem e máquina”. A mesa será mediada por Stefano Schiavetto (Unicamp).
    14h30 – Mesa 3 – Individuações: Considerando a necessidade de se compreender o pensamento de Simondon para além do campo restrito de uma “filosofia da técnica”, esta mesa permitirá considerar a importância de sua obra no interior do pensamento filosófico contemporâneo, lembrando da advertência do próprio filósofo para a necessidade de uma reforma das noções filosóficas fundamentais. Nesse sentido, os pesquisadores e filósofos Oswaldo Giacoia Jr. (Unicamp), Pablo E. Rodríguez (Conicet) e Peter Pál Pelbart (PUC-SP) colocarão em discussão as implicações políticas e filosóficas da noção simondoniana de individuação. A mesa será mediada por Rodolfo E. Scachetti.
    19h – Mostra Harun Farocki na Casa do Lago (“A mira precisa da câmera: linguagem, política e ideologia”): Exibição do filme Como se vê (Wie man sieht), seguida de debate com Laymert Garcia dos Santos.

Dia 04 de abril de 2012

    9h30 – Mesa 4 – Informação: Crítico com relação à tradição dualista do pensamento ocidental moderno, fundado em oposições como indivíduo/sociedade, homem/máquina ou natureza/cultura, Simondon propõe novas maneiras de pensar as relações entre técnica, estética e vida, notadamente a partir de um método genético. A tecnoestética, na medida em que representa uma das ocasiões de convergência das fases do ser, está diretamente relacionada ao conjunto de seu pensamento, em específico à noção de informação e de processo de individuação. A mesa composta pelos pesquisadores Diego J. Vicentin (Unicamp), Cecilia Diaz-Isenrath (UBA, Argentina) e Emerson Freire (Fatec, Jundiaí) oferecerá um contexto para a discussão em torno das interrelações entre técnica, estética, informação e individuação no pensamento simondoniano. A mesa será mediada por Marta M. Kanashiro (Labjor/Unicamp).
    14h30 – Mesa 5 – Sócio-antropotécnica: A técnica, para Simondon, é parte de um processo de individuação mais amplo envolvendo indivíduos físicos, biológicos e psicossociais. Assim, a técnica e os objetos técnicos surgem como resolução parcial para o problema da relação do ser humano com o mundo. O problema da invenção é central aqui, evidenciando a contribuição do pensamento de Simondon sobre a individuação para pensar questões antropotécnicas e sociotécnicas. A mesa composta pelos pesquisadores Carlos E. Sautchuk (UnB), Daniela T. Manica (UFRJ) e Christian P. Kasper (UFPR) envolverá, assim, contextos etnográficos particulares e conexões conceituais singulares em um debate sobre técnica, objetos e invenção. A mesa será mediada por Rainer M. Brito (UFSCar).

__________[RESSONÂNCIAS]

Mostra Harun Farocki – A mira precisa da câmera: linguagem, política e ideologia: Aulas públicas com Laymert Garcia dos Santos na Casa do Lago (Unicamp). Em cada um dos dias indicados abaixo, os filmes indicados serão exibidos em duas sessões: às 16h e às 19h. Apenas as sessões das 19h serão seguidas de debate.
13/03 – Natureza morta (Stilleben, 1977).
20/03 – Videograma de uma revolução (Videogramme einer revolution, 1992)
27/03 – Reconhecer e perseguir (Erkennen und verfolgen, 2003)
03/04 – Como se vê (Wie man sieht, 1986)

__________[PARTICIPAÇÃO]

Carlos E. Sautchuk (DAn/UnB; LACT): Professor adjunto do Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília. Licenciado em Educação Física, mestre e doutor em Antropologia Social pela mesma instituição. Empreendeu estágio doutoral junto ao grupo Techniques et Culture (CNRS/MNHN – França); é coordenador do Laboratório de Antropologia da Ciência e da Técnica (DAN/UnB) e pesquisador do Centro de Desenvolvimento de Estudos do Esporte e do Lazer (Rede CEDES – Ministério do Esporte/UnB). Tem experiência nas áreas de Antropologia da Técnica e do Corpo, com ênfase nos processos de construção da pessoa. Pesquisa temas relativos a pesca, caça, meio ambiente e sociedades caboclas amazônicas; também empreende estudos sobre o campo da Educação Física e sobre atividades corporais em contextos urbanos (esporte, fitness e lazer).

Cecilia Diaz Isenrath (UBA-AR; CTeMe): Possui graduação em Sociologia pela Universidade Nacional de Cuyo, doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas, sendo atualmente professora e pesquisadora da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Buenos Aires. Tem experiência na área de Sociologia da Tecnologia, atuando principalmente nos seguintes temas: tecnologia da informação, software, governamentalidade, neoliberalismo.

Christian P. Kasper (Design e Cultura/UFPR; CTeMe): possui graduação em Artes visuais pela Ecole Supérieure Des Beaux Arts de Genebra (1995) e doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (2006). Tem experiência na área de Desenho Industrial, com ênfase em Desenho de Produto. Seu campo atual de pesquisa envolve questões relativas ao design e à cultura material, em seus aspectos sociológicos, antropológicos, micropolíticos e filosóficos.

Daniela T. Manica (IFCS/UFRJ; GEACT; CTeMe): É professora adjunta no Departamento de Antropologia Cultural do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IFCS/UFRJ). Possui graduação em Ciências Sociais (2001), mestrado (2003) e doutorado (2009) em Antropologia Social pela Unicamp. Tem experiência na área de Antropologia Social, discutindo principalmente os seguintes temas: relações entre cultura e natureza, gênero, tecnologia e medicina e itinerários intelectuais.

Diego J. Vicentin (IFCH/UNICAMP; CTeMe): Doutorando em Sociologia (IFCH/ UNICAMP), atualmente integra o grupo de pesquisas CTeMe (Conhecimento Tecnologia e Mercado) da mesma universidade, onde desenvolve pesquisa relativa ao desenvolvimento e evolução das tecnologias móveis de comunicação com financiamento da FAPESP.

Eduardo B. Viveiros de Castro (PPGAS/UFRJ – Museu Nacional; NuTI; NAnSi): Etnólogo americanista, com experiência de pesquisa na Amazônia, é professor de etnologia no Museu Nacional/UFRJ desde 1978. Doutor em Antropologia Social pela UFRJ (1984), fez pós-doutorado na Université de Paris X (1989), é membro da Equipe de Pesquisas Americanistas do C.N.R.S. desde 2001. Foi professor Simón Bolívar de Estudos Latino Americanos na Universidade de Cambridge (1997-98), Diretor de pesquisas no C.N.R.S. (1999-2001) e professor visitante nas Universidades de Chicago (1991, 2004), Manchester (1994), USP (2003) e UFMG (2005-06). Recebeu prêmio de melhor tese de doutorado em Ciências Sociais da ANPOCS (1984), Médaille de la Francophonie da Academia Francesa (1998), Prêmio Erico Vanucci Mendes do CNPq (2004), Ordem Nacional do Mérito Científico (2008). Publicou cerca de 120 artigos ou capítulos de livros e sete livros, de 1972 ao presente. Coordenou o Projeto Pronex “Transformações indígenas: os regimes de subjetivação ameríndios à prova da história” (2004-06). É o coordenador do Núcleo de Transformações Indígenas, grupo baseado no Museu Nacional/UFRJ, e co-coordenador da Rede Abaeté de Antropologia Simétrica.

Emerson Freire (Fatec-Jundiaí; IFCH/Unicamp; CTeMe): Professor na Faculdade de Tecnologia de Jundiaí e cursa doutorado em Sociologia pela Unicamp, com estágio na Université Paris 1 – Panthéon Sorbonne – França. Foi ganhador do Prêmio Rumos Pesquisa do Instituto Itaú Cultural em seleção nacional, prêmio este destinado ao fomento de pesquisadores em artemídia. Interessa-se pelas relações sociotécnicas produzidas no âmbito das produções artísticas que tematizam ou operam com as tecnologias contemporâneas. Desde 2003 é pesquisador do Grupo CTeMe da Unicamp e coordena o Núcleo de Estudos de Tecnologia e Sociedade (NETS) na Fatec Jundiaí.

Henrique Parra (DCS/EFLCH/Unifesp-Guarulhos): Graduado em Ciências Sociais (USP), mestre em Sociologia (USP) e Doutor em Educação (UNICAMP), é Professor Adjunto do Curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Atualmente se dedica a investigar as dinâmicas sociais de produção de conhecimento no contexto de expansão das tecnologias digitais. Destaque para a relação “homem-máquina”; as configurações sócio-políticas da tecnologia; a relação entre instituições sociais, cultura, economia e política. Trabalhou como professor, pesquisador e gestor público em diferentes instituições, atuando em áreas relacionadas à Sociologia da Tecnologia, desenvolvimento sócio-econômico, políticas públicas, tecnologia social, direitos humanos e comunicação. Paralelamente, como fotógrafo realizou diversos trabalhos de documentação e produção artística, tanto individualmente como através de coletivos em que foi colaborador.

Laymert Garcia dos Santos (IFCH/Unicamp; CTeMe): Bacharel em Comunicação Social (Jornalismo) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1969), mestre em Sociologia pela École des Hautes Études en Sciences Sociales (1975) e doutor em Ciências da Informação pela Université de Paris VII/Université Denis Diderot (1980), atualmente é professor titular do Depto. de Sociologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), conselheiro do CNPC do Ministério da Cultura e tem pesquisa individual financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Foi Diretor da Fundação Bienal de São Paulo de outubro de 2009 a junho de 2010. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia da Tecnologia e em Arte Contemporânea, atuando principalmente nos seguintes temas: biotecnologia, tecnologia, arte contemporânea, política e Brasil. Atualmente é Coordenador do Laboratório de Cultura e Tecnologia em Rede, Instituto Século 21, em São Paulo e do Grupo de Pesquisa CTeMe, na Unicamp.

Muriel Combes: Filósofa francesa, autora de obras de referência em filosofia e sobre o pensamento de Gilbert Simondon, tais como Simondon: Individu et collectivité. Pour une philosophie du transindividuel, Paris, PUF, coll. « Philosophies », 1999 e La vie inséparée. Vie et sujet entre biopouvoir et politique, Lille, ANRT, 2003. Participou em 1996 da fundação da revista de cinema Persistances, e em 1998 da fundação da revista política e cultural Alice.

Oswaldo Giacoia Jr. (IFCH/Unicamp): Graduado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1976) e em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (1976). Mestre em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1983) e Doutor em Filosofia pela Freie Universität Berlin (1988). Pós doutorado pela Freie Universität Berlin (93-94), Viena (97-98) e Lecce (2005-2006). Atualmente é professor Livre-Docente do Departamento de Filosofia-IFCH da Universidade Estadual de Campinas. Sua pesquisa concentra-se na área de Filosofia Moderna e Contemporânea, com ênfase em História da Filosofia e Ética, ocupando-se de temas como: teoria da cultura, ética pura e aplicada, filosofia do direito, filosofia social, política e da história, filosofia clássica francesa e alemã.

Pablo E. Rodríguez (UBA, CONICET): Doutor em Ciências Sociais (Universidad de Buenos Aires) e mestre em Ciências Políticas (Université de Paris I- Panthéon Sorbonne). Pesquisador do Conicet argentino (Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas). Traduziu para o espanhol (junto com Margarita Martínez) o livro Du mode d’existence des objects techniques de Gilbert Simondon e escreveu os prólogos deste livro e do La individuación a la luz de las nociones de forma y de información, do mesmo autor.

Peter Pál Pelbart (PUC-SP): Possui graduação em Filosofia pela Sorbonne (Paris IV- 1983) e doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (1996). Atualmente é professor titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Estudioso da obra de Gilles Deleuze, traduziu para o português os livros Conversações, Crítica e Clínica e parte de Mil Platôs. Escreveu sobre a concepção de tempo em Deleuze (O tempo não-reconciliado, Perspectiva, 1998), sobre a relação entre filosofia e loucura (Da clausura do fora ao fora da clausura: Loucura e Desrazão, Brasiliense, 1989 e A Nau do tempo-rei, Imago, 1993) e sobre a relação entre política e subjetividade (A vertigem por um fio: Políticas da subjetividade contemporânea, Iluminuras, 2000, e Vida Capital, Iluminuras, 2003).

Rafael Diniz (DRM-Brasil): Bacharel em Ciência da Computação pela Unicamp, participa do coletivo Saravá, do Rizoma Rádio Livre e de outras organizações e coletivos midiativistas. Como programador de alto nível, interessa-se por questões direcionadas às relações entre técnica e política.

Silvio Rhatto (Saravá.org): Bacharel em Meteorologia pela Universidade de São Paulo, autodidata em computação e diletante em ciências sociais. Contribuiu com o Rizoma das Rádios Livres e com o Centro de Mídia Independente. Atualmente participa do Grupo Saravá.

__________[ORGANIZAÇÃO]

Laymert Garcia dos Santos

Pedro Peixoto Ferreira

Elton Corbanezi

Janir Coutinho Batista

Leonardo Ribeiro da Cruz

Thiago Novaes

__________[OPERAÇÃO]

Andressa C. Batista

Elton Corbanezi

Janir Coutinho Batista

Leonardo Ribeiro da Cruz

Marta M. Kanashiro

Martha Ramirez-Gálvez

Osvaldo J. López-Ruiz

Paulo Tavares

Rafael Alves da Silva

Rafael Malhão

Rainer M. Brito

Rodolfo E. Scachetti

Stefano Schiavetto

Thiago Novaes

__________[INSCRIÇÃO]

Para se inscrever, enviar email com nome e instituição para: inscricoes.encontro.simondon@gmail.com

__________[PROMOÇÃO]

*Universidade Estadual de Campinas

*Instituto de Filosofia e Ciências Humanas

*Programa de Pós Graduação em Sociologia

*Departamento de Sociologia

*Grupo de Pesquisa Conhecimento, Tecnologia e Mercado

__________[APOIO]

Anúncios

2 Respostas para “Informação, tecnicidade, individuação: a urgência do pensamento de Gilbert Simondon

  1. Viviane Maximino

    Evento muito importante e atraente, pena que chegou tarde para mim. Solicito, se possivel, informaçoes sobre as atividades do grupo para futuras aproximaçoes.

    Muito obrigada

    Viviane Maximino
    Profa. Adjunto UNIFESP, Baixada Santista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s